quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Vou pra Porto... Tchau!


Deu pra ti, baixo astral. 

Sair de Brasília, de vez em quando, é bom. Adoro esta cidade onde moro, e da qual sinto o maior orgulho, mas conhecer lugares novos, pessoas novas, realidades novas é algo indescritível. Sempre que volto a minha República de Santa Maria, passo obrigatoriamente por Porto Alegre (ainda não existe voo direto BSB-SM, por pura falta de visão estratégica das cias aéreas hehehe), mas minhas duas últimas viagens pelo céu do Brasil foram para outros Portos admiráveis.

Em abril, conheci Porto Velho, capital de Rondônia. Uma cidade simpática, com ares de interior, porta de entrada para a Floresta Amazônica e fora dos roteiros das agências de turismo. Quem aí lembra da minissérie Mad Maria, que contou a história da construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré? Esta ferrovia histórica para o país completou 100 anos em 2012 e pude ver no Centro Histórico de Porto Velho, o que ainda resta dos trilhos e vagões desta obra faraônica, que nunca teve como dar certo.
Estação da centenária e inativa Estrada de Ferro Madeira-Mamoré

O passeio de barco no Rio Madeira também é interessantíssimo, com vista para botos e jacarés na água, além da polêmica construção da Usina Hidrelétrica de Santo Antônio. A culinária, claro, é baseada em pescados, bem preparados, temperados e uma boa pitada de sal no preço, mas vale a pena. Sem contar, é óbvio, que revi minha grande amiga Sofia Lampert, ao lado de sua garbosa família (Gostaram do "garbosa"?).
Quem vem comigo nessa barca?

Nem todo Porto é Velho, mas precisa ser Seguro. Ao sul da Bahia, ao lado de onde Cabral chegou ao Brasil, está uma parada obrigatória para quem ainda não conhece o Nordeste. Uma cidade que chama sua principal via central de Passarela do Álcool não podia ficar fora dos meus roteiros. Ao contrário do que muita gente pensa, Porto Seguro não é só uma cidade de baladas. Quem quiser pode pode passar ótimos dias em uma praia da orla norte, calma, com ondas baixas e água clarinha, sem sinal de axé e funk.
Porto Seguro: história, axé, capoeira e vistas sensacionais

Mas quem for do time do agito, prepare as cartelinhas de Engov. As barracas de praia tem luaus agitados de segunda a domingo. A Ilha dos Aquários, por exemplo, é espetacular. Além dos óbvios tanques de peixes, cinco ambientes musicais dão o tom, sempre puxando a brasa para o baianíssimo axé e o arrocha, que segue com força por aquelas bandas. Os solteiros devem tomar cuidado com a "pedofilia", porque o que mais tem nas festas é novinho do terceiro ano, comemorando a formatura do Ensino Médio antes do fim do ano letivo. O ponto alto é a Praia do Espelho. Acredite: ao vivo é mais bonito do que na foto.
Praia do Espelho - Bahia. Demora para chegar, mas vale a viagem

Passei em Porto Seguro uma semana inesquecível e, em Porto Velho, um feriadão surpreendente. Esse grande chavão de que turismo no exterior é mais barato do que no Brasil não me pertence. Até porque não viajo para fazer compras, viajo para conhecer culturas, lugares, pessoas e trazer boas lembranças. A viagem mexe o corpo, o cérebro e traz boas histórias que tiram este blog da inércia.

3 comentários:

Sabrina disse...

Sim, ao vivo é sempre mais bonito que na foto! Eu tô vivendo o "viajar para o exterior é mais barato...", mas fico feliz em ouvir sobre esse pedaço de Brasil bonito pelo teu ótimo texto. E concordo sobre como é bom escrever a respeito das andanças e ter o comentário dos amigos! Abraço!

Dublê disse...

Tu faz o estilo de viagem que eu gosto: pra conhecer as ricas culturas desse nosso Brasil! Quando é que tu vai conhecer a minha Natal? Avisa pra eu te dar umas dicas. Abraço, e boas viagens! Daniel Isaia

Tiago Medeiros disse...

Pois é, Sabrina e Daniel. Não falo sobre o exterior porque ainda não o conheço. Tenho o objetivo de conhecer antes o melhor de cada estado brasileiro e Natal está na lista. Depois, é claro, vamos ver o que esse mundão afora tem a nos mostrar. Abraço aos amigos e obrigado pela visita.